Central de atendimento

(11) 3034-5598 (11) 2478-2074 (11) 2478-1146

(11) 2478-1641

UNIDADE BELENZINHO

(11) 2676-2325

CENTRAL ADMINISTRATIVA

(11) 2478-1641

UNIDADE SHOPPING WESTPLAZA

(11) 2476-0599

A Arte em Vidro – de Emile Gallet

Postado em 08 de outubro de 2019

Emille Gallet, nascido em Nancy na França em 1846, fez seus estudos de mineralogia em Weimar, aprimorou seus estudos da vidraria oriental, em 1878 passou a produzir replicas de vidros esmaltados venezianos e islâmicos. Criou com sua Arte, um símbolo da melhor produção em vidro artístico de sua época, muito admirado até hoje. Inicialmente, por volta de 1870, pesquisou e desenvolveu a técnica artística de vidraria, usando camadas sucessivas de esmalte sobrepostas numa base de folha metálica fundida, criando vasos, cálices e castiçais de vidro, em estilo renascentista, intitulada por ele mesmo como “émaux bijoux” (jóias esmaltadas)

As primeiras imagens gravadas no vidro em seus objetos de arte foram figurativas; inspiradas em monstros mitológicos e elementos da natureza. Mas a partir de 1889 desenvolveu várias peças com a antiga técnica do vidro-camafeu ou “cased glass”, usado desde a Antiguidade, aperfeiçoando de maneira detalhada e artística as finas camadas de vidro em cores diferentes, extremamente translúcidas, proporcionando ao desenho, agora em motivos simbolistas, riqueza de detalhes em variadas gamas de cor.

Suas excepcionais obras na arte decorativa incluíam técnicas de delicada execução, como engastes de pequenas peças de vidro na peça principal. Cada engaste exigia máximo cuidado: “maqueterie de verre” ou marchetaria em vidro era uma técnica que tinha de ser executada com extrema habilidade pelo artesão, equilibrando os coeficientes de expansão quando expostos ao fogo.

O Movimento de Arte do final do século 19 intitulado Art Noveau, do qual falaremos em próximo artigo, foi uma reação ao inicio da era industrial, onde o artista  se apropriou dos conhecimentos racionais e da lógica usando as formas da natureza como folhas, libélulas, raízes etc em arabescos, em movimentos entrelaçados, em estilização orgânica e movimentos dinâmicos, típicas do estilo.

Foi nessa época 1884 que o espírito criativo de Gallet se expandiu na produção de obras de Arte, onde o seu tema e matéria preferidos: o vidro e a natureza definiram seu estilo inconfundível. Suas oficinas tinham técnicos muito habilidosos que executavam suas criações,  sempre em constante pesquisa de composições em materiais como o vidro, o ferro e a madeira.  As fontes de inspiração transformam-se no próprio objeto como um vaso em forma de flor, onde se agregava com a técnica do engaste os pistilos nos miolos das flores, em vários recozimentos.

Gallet nos emociona com sua sensibilidade artística e demonstra em seus “Vasos que choram” uma reflexão sobre a efemeridade da vida assim como o cristal!  Pensamentos de Vitor Hugo, cenas da história de “Orfeu e Eurídice” e movimentos em forma de lágrimas foram exemplos de suas reflexões.

Um pouco de História: A arte em vidro em vasos, bases e cúpulas de luminárias, jóias, e louças além de detalhes decorativos atualmente são vistos até portando detalhes luxuosos em forma de pequenos elementos como bordado em cristais como o Cristal Swarówisky que é muito usado na indumentária da alta costura. Os utensílios e objetos feitos em vidro remontam a mais de 2.500 anos aC! Os romanos desenvolveram a técnica do sopro para moldar vidro por volta do ano 100 aC

Na virada do século19Grandes ateliês como Tifanny, Daum, Lalique e Gallé, assim com escolas Corning no estado de Nova York e Steuben Glass and Work Cristal, desenvolveram variadas técnicas em objetos e utensílios que se afiguram como verdadeira obra de Arte!

Por Regina Maria Catellani  02/09/2019